Recent Posts

Archive

Tags

Orientação Vocacional

A Orientação Vocacional Clínica

A sociedade exige do adolescente que conclui seus estudos secundários, a escolha de seu futuro ocupacional, entretanto, essa escolha nem sempre é fácil. A adolescência já é por si só um momento de crise por ser a transição do mundo infantil para o mundo adulto, o que vai exigir do adolescente que ele se adapte e se ajuste a diversas mudanças, ocorrendo então uma desestruturação e uma reestruturação da identidade. identidade ocupacional é um aspecto da identidade do individuo que está bem no meio dessa crise. É difícil escolher, porque escolher é pensar em quem se é, quem se quer ser, quem se crê que se deva ser, e em quem se pode ser. Ainda hoje existe uma falsa idéia de que a tarefa da orientação vocacional se resume à aplicar testes e fazer prognósticos objetivos à respeito da vocação de um indivíduo, assim como se fosse um instrumento meio mágico e fatalista – você serve pra isso e ponto. Esquece-se da questão principal: quem está ali é uma pessoa, que não só tem a possibilidade de escolher, como a capacidade de escolher. E que essa escolha diz respeito a ela e a quem ela é, mas acima de tudo, tem a ver com quem ela quer ser e quais as suas expectativas em relação ao futuro. A orientação vocacional tem portanto como tarefa auxiliar os estudantes na solução das dificuldades que enfrentam, ao encarar a escolha do seu futuro profissional. Esse é o diferencial de uma orientação vocacional na abordagem clínica. Ela não se propõe a escolher pelo indivíduo, mas a ajudá-lo a superar os obstáculos que se opõem a uma decisão pessoal e responsável.

Beatriz Accioly

A Orientação de Escolha Profissional Clínica é feita em doze encontros:

- Cinco encontros de auto conhecimento, com utilização de Sandplay.

- Seis encontros de exploração das profissões, com metodologia especializada para facilitar a escolha.

- Um encontro de fechamento do trabalho.

Vale a pena ressaltar, que esses artigos têm como objetivo, elucidar e informar o publico: não são ferramentas para diagnóstico. Se você se identifica com alguns destes sintomas, procure a ajuda de um profissional.